Inspiração #5

Olá!

Ainda tomada pelo misto de gripe e resfriado (se é que esse misto existe) totalmente rouca estou aqui para postar nossa inspiração do mês de setembro.

Pensei em variar um pouco essa seção, mas quando me deparo com as histórias dos pintores consagrados que temos pelo mundo mudo de idéia e já elejo um.

Dessa vez escolhi um que infelizmente como muitos teve seu reconhecimento após sua morte e uma história pra lá de intrigante.

Vale a pena ler o texto, eu garanto que, como eu, vai se surpreender.

Estou falando de:

Vincent Willem van Gogh, nasceu em 30 de Março de 1853 em Zunderrt, uma cidade próxima a Breda, na província de Brarrabante do Norte, nos Países Baixos (Holanda) filho de pastor, Van Gogh se envolveu muito com assuntos religiosos chegando a ficar horas traduzindo a bíblia.

Desenvolveu através dos anos uma grande amizade e forte ligação com seu irmão mais novo, Theo. Sabe-se que foi Theo quem suportou financeiramente o irmão durante a maior parte da sua vida. O mesmo o apoiou a levar mais a sério a pintura.

Na vida amorosa se envolveu com uma prostituta grávida e mãe de um filho, seu pai como pastor exigiu que Van Gogh a abandonasse. Anos depois se envolveu com sua vizinha decidindo se casar com ela, como as famílias eram contra a moça se suicidou.
Passou a se envolver apenas com prostitutas.

Sem conseguir assimilar o “modismo” impressionista da época desenvolveu com Émile Bernard a técnica do pontilhismo, inspirados em Georges Seurat.

Em fevereiro de 1888 chegou em Arles, sul da França e desenvolveu duas de suas famosas pinturas A Casa Amarela e Girassóis.
Nessa época também pintou seu unico quadro que conseguira vender, “O vinhedo vermelho“, que foi vendido por 400 francos.

Dos pintores que conhecera em Paris o único que aceitou seu convite foi Gauguin o qual após muitas brigas por incompatibilidade de gênios Van Gogh quase o navalhou.
Assustado Gauguin foi dormir em uma pensão.
Trastornado com sua postura Van Gogh cortou um pedaço de sua própria orelha levando como presente para uma prostituta. Voltou para sua casa como se nada tivesse acontecido e foi acordado pela polícia que o encontrou todo ensanguentado.

Após 14 dias hospitalizado, voltou pra sua casa e pintou seu auto-retrato com a orelha mutilada.

O episódio trágico convenceu Van Gogh da impossibilidade de montar uma comunidade de artistas em Arles.

O estilo de pintura acompanhou a mudança psicológica e Van Gogh trocando o pontilhado por pequenas pinceladas.

Quatro semanas depois, Van Gogh apresentou sintomas de paranóia,  imaginando que lhe queriam envenenar. Os cidadãos de Arles, apreensivos, solicitaram seu internamento definitivo. Sendo assim, Van Gogh passou a viver no hospital de Arles como paciente e preso.

Rejeitado pelo amigo Gauguin e pela cidade, descartanado assim seus planos da comunidade de artistas, a depressão de Van Gogh se agravou , tendo seu irmão Theo como único amigo, este por sua vez se casou, fato este que constribuiu para a inquietação do estado de Van Gogh, pois seu maior temor era o afastamento do irmão.

Já com 36 anos ele pediu para ser internado no hospital psiquiátrico em Saint-Paul-de-Mausole, ao sair voltou a morar perto do irmão e frequentar sessões com um médico especialista em depressão o que não resultou em nenhuma melhoria e Van Gogh piorou.
Após uma semana intensa de criatividade pintando em média um quadro por dia, ele se dirigiu ao campo onde disparou um tiro contra seu peito, conseguiu se arrastar até a pensão onde morava vindo a morrer 2 dias depois nos braços do irmão Theo.
Seu estado depressivo ficou explícito na última frase dita ao seu irmão.
“La tristesse durera toujours” (A tristeza durará para sempre).

Suas obras:

4vangogh

Curiosidades
> Seu irmão Theo morreu seis meses depois do falecimento de Van Gogh, em 25 de janeiro de 1891, em Utrecht. Sua esposa Johanna encarregou-se de levar seu corpo para ser enterrado lado a lado com o de Van Gogh, em Auvers-sur-Oise, onde ambos estão até hoje.
> Van Gogh vendeu uma única tela enquanto vivo, A Vinha Encarnada, por 400 francos. Em 1990, cem anos após sua morte, outra tela sua, Retrato do Dr. Gachet, alcançou o valor de US$ 82,5 milhões, um recorde até então.
> Foi viciado em absinto.
> A frase atribuída a ele: Meu melhor quadro é aquele que imaginei deitado na cama, através da fumaça do cachimbo e que nunca cheguei a pintar.

Eu já sabia de muitos fatos de sua vida, mas confesso que ao fazer a pesquisa me aprofundei na vida dele e assim passei o admirar mais.

Espero que tenha gostado.

Bjokitas imensas, obrigada pela visita e comentario.

Postei ouvindo: Rádio portuguesa RFM

Uma opinião sobre “Inspiração #5

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: